António Fernandes da Fonseca

António Fernandes da Fonseca nasceu na freguesia de Gondar, concelho de Amarante, a 4 de agosto de 1921.

Frequentou a escola primária da Ovelhinha, onde concluiu a 4ª classe. Continuou os estudos no Colégio de S. Gonçalo, indo, no 7ºano, estudar para o Liceu Rodrigues de Freitas, no Porto.

Findo o ensino secundário, rumou a Coimbra para estudar Medicina, estagiando, no último ano do curso, nos Serviços de Neurologia do Hospital de Santo António e do Hospital Escolar de Lisboa.

É, entretanto, convidado pela Faculdade de Medicina a ocupar o lugar de Assistente, cargo que aceita com a condição de lhe ser concedida uma bolsa de estudos no estrangeiro. Em 1955 parte para Londres para estagiar nos Serviços de Psiquiatria e Psicologia do Hospital de St. Thomas e de Genética Psiquiátrica do Instituto de Psiquiatria da Universidade de Londres. De regresso a Portugal, é-lhe concedido o grau de Doutor em Medicina, pela Universidade do Porto, tendo ficado a seu cargo a regência da cadeira de Psiquiatria.

No decorrer da vida profissional, Fernandes da Fonseca desempenhou vários cargos. Foi Diretor Clínico do Hospital Conde Ferreira, durante 12 anos, e fundou o Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Hospital de São João; Presidiu à Sociedade Portuguesa de Psiquiatria, da Associação Psiquiátrica de Língua Portuguesa e à Associação Europeia de Psiquiatria Social; foi membro da Real Academia de Medicina de Madrid e "Fellow" da Academia de Medicina e Psiquiatria de Nova Iorque; dirigiu a Revista de Psiquiatria da Faculdade de Medicina do Porto e foi autor de mais de 200 trabalhos e de cerca de uma dezena de livros sobre temas de Psiquiatria, Psicologia, Sociologia e Saúde Mental, bem como de um tratado de Psiquiatria e Psicopatologia, o único em português.

Jubilado em 1991, passou, então, a desempenhar a função de diretor do Departamento de Pós-Graduações, Mestrados e Doutoramentos da Universidade Fernando Pessoa.

Antes, em 1970, no rescaldo do maio de 68, publicou “A reforma da Universidade”, que lhe valeu uma sanção do regime de então, que o impediu de realizar provas de agregação durante vários anos.

Em 1976, já Professor Catedrático, foi eleito, em lista do Partido Socialista, deputado à Assembleia da República pelo círculo do Porto. Enquanto esteve no Parlamento escreveu “Psiquiatria e Psicopatologia”, a mais significativa das suas publicações científicas, que juntou a, entre outras, "Sintomas iniciais da esquizofrenia" (1958); "A farmacoterapia em psiquiatria" (1961) "Curvas glicémias na esquizofrenia" (1963) ou “Saude Mental e Humanização” (1995).

Apaixonado pela terra onde nasceu, cujo Município lhe atribuiu a Medalha de Ouro em 1995, Fernandes da Fonseca é também um admirador confesso e estudioso de Teixeira de Pascoaes, sobre quem escreveu “O Encontro com Teixeira de Pascoaes” (2002), incluindo também o poeta da saudade no seu livro “Psicologia da Criatividade: à luz biográfica de quatro génios” (2003). Os outros três são Fernando Pessoa, Sigmund Freud e Ortega y Gasset.