Luís Coutinho

Luís Coutinho nasceu em Amarante, na rua 5 de outubro, em 1960. Filho de professores do ensino primário, e dependente das colocações dos progenitores, fez os quatro primeiros anos de escolaridade (até à antiga 4ª classe) em Sedielos, no concelho de Peso da Régua.

Regressado a Amarante, ingressou no Colégio de S. Gonçalo e, terminado o ensino secundário, frequentou a Faculdade de Farmácia, no Porto, durante cinco anos. Insatisfeito com o curso, que não acabou, decide seguir História, a sua grande vocação, e matricula-se na então Universidade Livre.

Concluiu, em 1990, na Universidade Portucalense, a Licenciatura em Ciências Históricas e tornou-se Professor Assistente, lecionando as cadeiras de Epigrafia e Numismática e Portugal Proto-Histórico. Ao longo de vários anos lecionou também Portugal Romano, Grandes Civilizações do Mundo Antigo e História da Cultura Portuguesa.

Viria, enquanto investigador, a especializar-se em Epigrafia e Numismática (período romano), área em que elaboraria tese de Mestrado, abordando a Romanização e Idade Média, a Circulação Monetária Tardo-Romana no Norte de Portugal.

Apaixonado pela arte sacra, Luís Coutinho organizou o primeiro Museu de Arte Sacra na aldeia de Vila Marim, em Mesão Frio, tendo sido também de sua responsabilidade a criação do Museu de Arte Sacra de Amarante, que viria, depois da sua morte, a adotar o seu nome.

Foi membro de várias associações culturais e científicas e colaborou em inúmeras campanhas arqueológicas, tendo também dirigido múltiplos trabalhos cientifico-didáticos.

Editou e publicou uma grande quantidade de trabalhos científicos e históricos de que se destacam:

Moedas Romanas de Sta. Maria de Emeres (Valpaços), “Revista de Ciências Históricas” da Universidade Portucalense, Vol. I, Porto, em colaboração com José Augusto T. Maria Marques (1986)

Cerâmica da Necrópole Galaico-Romana dos Ataúdes (Madalena), “Revista de Ciências Históricas” da Universidade Portucalense, Vol. III, Porto, em colaboração com José Augusto T. Maia Marques e Maria Antónia Silva (1988)

Moeda inédita aparecida em Portugal, “Filatelia e Numismática”, Porto, em colaboração com José Augusto T. Maia Marques (1989)

Variantes Inéditas do Tesouro de S. Caetano (Couto de Ervededo) – Chaves), “Revista de Ciências Históricas, Vol. IV”, em colaboração com José Augusto T. Maia Marques (1989)

Cerâmica da Necrópole Galaico-Romana de Louredo das Almas (Salvador – Amarante), “Entremuros”, Revista do Grupo de Amigos da Biblioteca Museu de Amarante, Vol. 1, em colaboração com José Augusto T. Maia e Maria Antónia Silva (1990)

Artigos publicados no Jornal Escolar Mem Gundar (1992-1998)

Nossa Senhora da Ponte, in Varanda dos Reis, nº 0 (junho de 2000), 

A Fonte de S. Gonçalo/A Fonte dos Milagres, in Varanda dos Reis nº 1 (outubro de 2000), 

Igrejas de Amarante, em colaboração com o Pe. Amaro Gonçalo Lopes (2001)

A Igreja de S. Pedro (2012)